Personal tools

Diana Santos

From IEETA

Jump to: navigation, search


Title Compreensão de linguagem natural: voltando à carga
Speaker Diana Santos
Institution Universidade de Oslo
Date 2011/07/18
Time 11:00
Location Anfiteatro do IEETA
Country Noruega

RESUMO

Uma das áreas mais importantes da inteligência artificial nos anos 80 era a de "Compreensão de linguagem natural", que com o tempo passou a "processamento", dada a compreensão de que a maior parte do trabalho na área processava, mas não compreendia...

Uma das questões ainda não resolvidas, e que de certa forma separa as pessoas que trabalham na área, é quanto da compreensão do mundo é necessária para compreender a língua (e vice-versa).

Por outro lado, o acesso a fontes cada vez maiores de informação produziu a crença generalizada (mas errada, na minha opinião), de que a quantidade compensa a qualidade, donde cada vez mais se assiste a sistemas e a recursos que podem ser provocatoriamente apelidados de "entra lixo sai lixo"...

A minha apresentação tentará proporcionar uma perspetiva histórica destas questões e apresentar dúvidas em relação a muitas atividades na moda, além de veicular as principais características da linguagem natural, através de exemplos concretos.

Como antídoto ou ilustração da realidade, tratarei também de alguns assuntos relacionados com aplicações úteis, ou utilizáveis em tarefas práticas, e nos quais tenho trabalhado nos últimos tempos:

  • ensino da língua e da cultura
  • o Ensinador e o Págico
  • processamento de publicações
  • avaliação


Diana Santos

Diana Santos trabalha há 25 anos em processamento de linguagem natural, tendo nos últimos 13 anos liderado a Linguateca, um projeto com o objetivo de construir e sobretudo disponibilizar recursos para a língua portuguesa, assim como de criar ocasiões para avaliar o seu processamento, através das chamadas avaliações conjuntas, como as Morfolimpíadas, o CLEF, o HAREM, e neste momento o Págico.


Fez mestrado e doutoramento no Técnico, com uma tese sobre tradução automática em 1988 e uma sobre semântica constrastiva baseada em corpos em 1996.
Ao longo da sua carreira profissional trabalhou no IST, no INESC, na IBM, no SINTEF e na Universidade de Oslo, onde presentemente é professora associada de português.

http://www.linguateca.pt/Diana/